19 de maio de 2022

Policial civil é preso acusado de estuprar detenta em ‘Sala Lilás’ de delegacia de MS

Author

Categories

Share

Investigador da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, lotado em Sidrolândia, foi preso acusado de estuprar uma detenta na noite da última segunda-feira (11). A mulher, de 42 anos, confirmou para a delegada que foi vítima de violência sexual por parte do policial civil e deu detalhes do caso.

O policial civil é acusado de retirar a mulher da cela da delegacia e a estuprar na Sala Lilás, sala destinada para atendimento de mulheres vítimas de violência doméstica. Câmeras da delegacia registraram o momento em que o investigador retira a interna da cela e também quando ele entrega um celular para outros presos.

Conforme o site local, Região News, o policial teria entregado o celular para tentar silenciar os detentos. O crime foi descoberto na manhã de terça-feira (12), quando o caso foi registrado e o investigador preso. Os presos teriam solicitado a presença da delegada e, então, relatado os fatos.

Os internos contaram que ouviram a vítima chorando na noite anterior. Foi então que a mulher revelou para os internos que foi estuprada pelo policial. Os detentos ainda teriam questionado o investigador, porém ele respondeu que nada tinha acontecido.

Policial tentou omitir o crime
A princípio, o servidor alegou que a presa estava menstruada e por isso teria retirado a vítima da cela. No entanto, a delegada conversou com a vítima, que contou o ocorrido. Segundo relato da mulher, o investigador foi até a cela dizendo que o advogado dela estava no local para conversar.

A detenta foi retirada da carceragem e levada até uma sala, com sofá cinza. Na sala havia brinquedos de crianças espalhados pelo chão, local identificado depois como a ‘Sala Lilás’ da delegacia. O investigador obrigou a vítima a manter relação sexual sem consentimento.

A vítima ficou bastante abalada e teria contado sobre o caso chorando. Ela ainda foi ouvida em novo depoimento e contou que já no dia 4 de abril o mesmo policial civil a levou para um quarto, onde havia uma bicama e um banheiro. Ela também foi estuprada pelo mesmo investigador naquela ocasião.

Após o crime, a mulher foi obrigada a tomar banho. O policial também ameaçou a vítima naquela ocasião, dizendo que iria atrás dela “até no inferno”, caso ela contasse sobre os estupros para alguém. As filmagens mostram o momento em que a vítima foi retirada da cela na segunda-feira, e que retorna aproximadamente 20 minutos depois.

O celular foi entregue pelo policial aos presos por volta das 19h30. A interna que dividia cela com a vítima foi ouvida como testemunha e também confirmou que a colega foi retirada da cela. O policial civil foi preso em flagrante.

Caso é investigado pela Corregedoria
Conforme apurado pelo Midiamax junto à assessoria da Polícia Civil, o policial foi preso em flagrante pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. O caso segue em segredo de Justiça por determinação da lei e todas as medidas já foram tomadas pelo órgão correcional.

O policial está preso em uma cela da 3ª Delegacia de Campo Grande.

Author

Share