2 de julho de 2022
HomeDestaquePor Petrobras, governo prepara MP para mudar Lei das Estatais

Por Petrobras, governo prepara MP para mudar Lei das Estatais

Relacionados

Câmara de Mundo Novo aprovou LDO (Lei de Diretrizes Orçamentarias) e mais dois projetos

Os vereadores mundonovenses aprovaram na noite desta segunda-feira 27,...

Marquinho Trad, André Puccinelli e Eduardo Riedel estão empatados tecnicamente, aponta PercentBrasil

Fonte:ofatonews>  Pesquisa realizada pela empresa PercentBrasil ouviu 600 eleitores...

Homem comete suicídio após encontrar filho morto em carro

Um homem de 37 anos da Virgínia, nos Estados...
spot_img

O governo Bolsonaro prepara uma medida provisória (MP) para alterar as regras da Lei das Estatais, que foi criada em 2016 para estabelecer uma série de compromissos e responsabilidades na atuação das empresas públicas. No alvo central da proposta está a Petrobras e o modo de definição de preços de combustíveis praticado pela companhia.

A informação foi confirmada ao Estadão pelo líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR).

– Vamos trabalhar com essa lógica de mudar a Lei das Estatais, por Medida Provisória (…) Obviamente, temos que ver o texto que é possível. Isso foi discutido e está sendo feito – disse Barros.

O governo pretende apresentar a medida provisória nos próximos dias. Pelo regimento, a MP passa a ter validade automática, no momento que é publicada pelo governo. A medida tem validade de 60 dias, podendo ser prorrogada por mais 60 dias, até que o Congresso vote seu texto. Se a votação não ocorre dentro deste prazo, o texto caduca e perde validade.

Na noite desta segunda-feira, 20, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), chegou a afirmar que o Congresso quer discutir mudanças na Lei das Estatais. A leitura é de que o Ministério da Economia teria de ter uma atuação mais ativa nas discussões os preços de combustíveis praticados pela Petrobras.

Na avaliação de Lira, as estatais foram transformadas em “seres autônomos e com vida própria”, a partir das mudanças realizadas em 2016.

A Lei das Estatais estabelece normas de governança corporativa e regras para compras, licitações e contratação de dirigentes por empresas públicas e sociedades de economia mista, como é o caso da Petrobras.

A lei também impõe restrições para atuação de dirigentes partidários, ministros, secretários, sindicalistas e parlamentares, que não podem mais ser indicados para cargos de diretores e conselheiros das estatais. Além disso, os postulantes a esses cargos têm de respeitar quarentena de 36 meses após participar em direção partidária ou campanha eleitoral e devem apresentar experiência no setor.

A lei obriga ainda as estatais a manter uma área de compliance e riscos, além de um comitê de auditoria que deve se reportar diretamente ao conselho de administração, em caso de suspeita de irregularidades cometidas pelo diretor.

*AE

Últimas Notinias

spot_img